Uma das funções da universidade pública é democratizar o acesso ao conhecimento. E não são apenas os estudantes de graduação e pós-graduação que tem a oportunidade de compartilhar os saberes científicos, tecnológicos e culturais produzidos no âmbito do ensino superior. A comunidade externa também pode ter contato com a produção universitária e uma das maneiras mais diretas pra isso é através dos livros publicados pelas editoras das instituições de ensino superior. Neste sentido, a Eduni, que é a Editora Unicentro, desde 2001, publica dezenas de obras anualmente, propostas por autores que escrevem sobre temas diversos. “Podem submeter livros para a Editora quaisquer autores que tenham uma produção universitária, ou seja, a Eduni aceita submissões de trabalhos que sejam na área da produção tecnológica, cultural, artística ou científica”, discorre a diretora da Eduni, professora Denise Gabriel Witzel.

Nos últimos cinco anos, por exemplo, a Editora Unicentro recebeu mais de 90 submissões de livros, aprovando mais de 60 dessas propostas, que posteriormente foram publicadas e impressas. Uma das vantagens em publicar pela Eduni é a amplitude de divulgação da obra, já que a equipe participa de feiras em todo o Brasil e também organiza eventos próprios, que abrem espaço para a participação dos seus autores. A editora da universidade também está presente em mais de dez plataformas digitais, garantindo a visibilidade do trabalho dos autores no ambiente virtual. Para ter um livro publicado pela Editora Unicentro, o autor precisa fazer a submissão da sua proposta de forma online. Para isso, basta anexar, até o dia 31 de outubro, o texto e a documentação solicitada diretamente no site da Eduni. A editora da Unicentro publica tanto livros autorais, quanto coletâneas.

“Os eixos temáticos são dois, da nossa Editora. Um é ‘Na sala de aula’, ou seja, congrega, reúne trabalhos que tenham reflexões voltadas para o ensino, portanto, para a sala de aula. O segundo eixo temático acolhe trabalhos oriundos de atividades técnico-científicas, artísticas e culturais – esses são trabalhos acadêmicos, muitos resultados de pesquisas de Mestrado, Doutorado, Pós-doutorado. Mas é importante deixar claro que nós não publicamos teses nem dissertações – todas essas pesquisas precisam ser transformadas em livros”, explica Denise sobre as linhas editoriais regulamentadas da Eduni.

Segundo a assessora técnica da Eduni, a agente universitária Suelem Lopes, no site da editora encontram-se todas as informações sobre como adequar o texto para publicação e os demais documentos necessários no processo, incluindo instruções sobre a questão dos direitos autorais. “A primeira coisa que a gente orienta quando uma pessoa entra em contato com a gente para a publicação do livro é entrar no nosso site, acessar o nosso Regulamento de Publicação e o nosso Guia do Autor”.

Apesar da Editora revisar os livros durante seu processo de editoração, os manuscritos precisam ser corrigidos por profissionais de Letras antes da submissão eletrônica, com o intuito de adequar os textos ao padrão vigente da ABNT, que é a Associação Brasileira de Normas Técnicas. Após o recebimento da proposta, a equipe da Eduni confere a conformidade do material com suas linhas editoriais e, na sequência, encaminha a obra para um consultor ad hoc que vai avaliar às cegas – isto é, sem saber quem é o autor – o mérito da publicação. Essas avaliações levam em consideração o conteúdo, a contemporaneidade do tema, a apresentação formal do texto, a pertinência da proposta, a unidade temática e, no caso de coletânea, avaliam também o público-alvo e a metodologia. Se a proposta for aprovada, ela passa para a fase de diagramação e de criação de capa. De acordo com Suelem, todo o processo de editoração até aqui é gratuito. “Enquanto editora pública, todo o nosso processo de editoração é gratuito. O que o autor tem que realmente pagar é a impressão do livro, e aí a impressão do livro depende se o livro tem imagens, se é colorido, depende do número de páginas, tudo depende e esse acerto ele precisa fazer com a gráfica”.

Além da assessoria oferecida pela Unicentro para a publicação de livros, Denise conta que os autores também podem aproveitar os ensinamentos da Edith, uma personagem fictícia criada recentemente pela equipe da Editora Unicentro, que tem dado dicas editoriais no Instagram e no Facebook da Eduni. “Essa personagem foi uma criação do grupo da Editora, da equipe, sobretudo os meninos que trabalham na ilha de diagramação, design e produção – um grupo de publicitários. A ideia lançada por nós foi que queríamos deixar as nossas redes sociais mais interativas, que nós pudéssemos atrair mais atenção dos nossos seguidores”, conta.

Algumas dicas que a Edith já deu foram “Como e quando usar os porquês?”, “Para que serve o ISBN de um livro?” e “Como funcionam as notas de rodapé?”. Entre dicas de português e de editoração, na opinião da diretora Denise, o conteúdo é útil para aperfeiçoar a escrita não só dos autores de livros, mas também de estudantes e pessoas da comunidade em geral. “Os conteúdos que estão sendo organizados, que são semanais – toda quarta-feira tem dicas de editoração -, não valem apenas para quem está escrevendo livros ou capítulos de livros, mas para todos aqueles que tenham a preocupação com o rigor da norma escrita, com a necessidade de aprimorar suas práticas de escrita”.